Entrevista com Rob Caggiano: Big Four, Andreas Kisser, Worship Music!

Geeks of Doom: Rob Oi, como vai você?

Rob Caggiano: Eu estou bem, cara. Muito ocupado fazendo o “Big Four” e “The Damned Things”. Há muita coisa acontecendo! [risos] Nós também estamos tentando terminar o álbum do Anthrax. Tem sido agitado pra cacete.

 Geeks of Doom: Vamos falar sobre o novo álbum em seguida. Não há shows Anthrax até as datas na Europa para fazer o “Big Four” e os festivais Sonisphere. O que você está fazendo nesse meio tempo?

Rob Caggiano: “The Damned Things” estará tocando em poucos dias, na verdade. Nós vamos fazer esse grande festival aqui em Ohio chamado Rock On The Range e, em seguida, vamos fazer alguns shows em torno disso. Então vamos para a Europa para fazer os festivais de lá, estamos fazendo o Download e outros com “The Damned Things”, em junho, Em seguida vamos saltar direito ao “Big Four”.

Geeks of Doom: Você tem feito “Big Four” por de mais de um ano, o que você está achando?

Rob Caggiano: Ah, tem sido incrível. Nós fizemos uma pequena turnê na Europa Oriental com line up do “Big Four” e foi fenomenal. E, obviamente, nós acabamos de fazer um show em Indio, Califórnia, que foi incrível, eram umas 60 mil pessoas de lá ou algo parecido. Eu não sei se você sabe, nós faremos o “Big Four” também no Yankee Stadium de Nova York hoje, 14 de setembro. Isso é como “O show dos sonhos” para mim! Sendo um nova-iorquino e um torcedor dos Yankees, é como um show de sonho para todos nós!

Geeks of Doom: Como você vai viver sem Scott Ian em julho? Você conhecia o Andreas [Kisser, guitarrista do Sepultura] antes de ele concordar em substituir o Scott Ian?

Rob Caggiano: Sim, nós conhecemos o Andreas há um bom tempo. Ele é um grande guitarrista. É, definitivamente vai ser um pouco estranho ter um show do Anthrax sem Scott Ian. Mas eu acho que Andreas vai definitivamente fazer um bom trabalho e que vai ser divertido. As coisas são como são, Scott terá um bebê, nós temos que entender e respeitar isso.

Geeks of Doom: Mas Andreas é um ótimo substituto! Ok, se você pudesse escolher uma banda para fazer um Big Five, quem você escolheria?

Rob Caggiano: Uma banda para fazer um Big Five? Essa é uma pergunta interessante! Uau. The Beatles! [Risos]

Geeks of Doom: [risos] Você acha que iria cair bem com os fãs Anthrax?

Rob Caggiano: Sim, absolutamente! [Risos]

Geeks of Doom: Você era um fã do Anthrax antes de entrar? E como tudo aconteceu?

Rob Caggiano: Éramos todos amigos, basicamente, apenas a partir da cena musical de Nova York, você sabe, e nós tivemos um monte de amigos mesmo no círculo da música aqui. Eu fui um fã do Anthrax sempre, então basicamente cresci ouvindo as coisas deles. Eu não sei, uma coisa levou à outra e rolou uma audição e a coisa meio que aconteceu. Eu deixei bem claro para eles que eu queria tocar! [Risos]

Geeks of Doom: Funcionou muito bem! Você era um fã de uma determinada época, a fase Joey Belladonna ou a fase John Bush?

Rob Caggiano: Você sabe, essa é uma pergunta interessante. Eu gosto de ambas as épocas da banda. Você sabe, obviamente “Among the Living”  é um dos meus discos favoritos de todos os tempos. Mas assim é também com o “Sound of White Noise”. Então, eu gosto das 2 fases.

Geeks of Doom: Você trabalhou com John Bush por muito tempo, então você estava animado, no ano passado, para começar a trabalhar com o Joey?

Rob Caggiano: Sim… sabe, eu realmente não sabia o que esperar de Joey. Até então, meu envolvimento com o Anthrax sempre teve John Bush na formação. Eu estava bem confortável com isso, porque John é um cantor incrível, ele é um grande cara. E eu realmente nem conhecia o Joey. Encontrei com Joey uma vez em Nova York há um tempo atrás, mas eu realmente não conhecia, então eu não sabia o que esperar. Mas nós fizemos o primeiro show na Polônia e foi fenomenal. Ele está cantando melhor agora do que nunca cantou, eu acho, e a banda soa matadora com ele. Ele é um grande vocalista, estamos realmente empolgados em tê-lo a bordo.

Geeks of Doom: Seu primeiro álbum com o Anthrax, “We’ve Come For You All”, foi o primeiro álbum da banda após cinco anos. Quando você entrou, você estava animado, você sentiu alguma pressão?

Rob Caggiano: Sim, eu estava realmente animado. Você sabe, naquele momento eu não estava na banda há muito tempo. E eu acabei responsável pela preodução do álbum, bem como por sua gravação. Foi definitivamente uma experiência interessante, você sabe, usar dois chapéus, sem trocadilhos! [risos e aponta para o boné da marca] Mas sim, fazer esse álbum foi ótimo, nos divertimos muito em fazê-lo. Levou um longo tempo. Eu acho que cada álbum Anthrax demora muito tempo a essa altura! [risos] Mas nós realmente nos orgulhamos dele e eu acho que os fãs realmente gostam do WCFYA.

Eu estou  super animado com o novo (álbum). Nós estamos na reta final e ele nos soa excelente. Nós esperamos lança-lo em setembro.

Rob CaggianoGeeks of Doom: Voltando ao WCFYA brevemente, novamente, foi o seu primeiro álbum e teve partes de guitarra de Dimebag e vocais adicionais por Roger Daltrey. Você chegou a conhecê-los, você gosta do que eles fizeram?

Rob Caggiano: Bem, sim. Na verdade eles vieram ao estúdio para gravar. Dime fez isso em seu próprio estúdio e mandou o material para nós e nós estávamos nos comunicando apenas assim. Tudo que Dime fez é fenomenal. Ele era um guitarrista incrível. Ele também foi um grande amigo da banda, então sim, isso foi ótimo. [Sobre o] Roger Daltrey, Scott estava com ele quando ele gravou sua voz. Teria sido ótimo, eu queria estar lá! Teria sido muito divertido!

Geeks of Doom: Anthrax existe há cerca de 30 anos e sobreviveu a uma enorme quantidade de mudanças de formação, mas ainda assim criou ótima música que é identicável como  como “música do Anthrax”.  Tendo estado dos dois lados (N. do Ed.: fã e membro da banda, acredito), como voc^eexplica isso?

Rob Caggiano: Para começar, como você disse, a banda existe há 30 anos e, sim, tem tido definitivamente muita turbulência e cantores diferentes e mudanças de formação e todas essas coisas. Mas o núcleo da banda manteve-se sempre o mesmo, que é Scott Ian, Charlie Benante, e Frankie Bello. Eu acho que, por si só, isso que faz o som do Anthrax soar consistente ao longo dos anos. Eu acho que é uma grande parte da razão. 

No ano passado, Anthrax foi na Austrália, fazendo o festival Soundwave e nós tivemos sorte o suficiente para ter um dia de folga e AC / DC estava jogando lá, uma das arenas. Então fomos todos para o show e foi foda! Foi tão legal. Para vê-los lá, você sabe, na verdade, na Austrália, foi tão surpreendente. 

Geeks of Doom: Para finalizar, você pode nos contar um pouco sobre ‘Worship Music’, o que podemos esperar em setembro? 

Rob Caggiano: Worship Music vai ser um álbum esmagador do Anthrax. Tem todos os elementos. Há momentos em que ele tem o espírito de ‘Among The Living’, ao mesmo tempo é também uma progressão de ‘We’ve Come For You All’, certos aspectos. Joey soa fenomenal no álbum, estou tão animado com isso! Todos nós temos trabalhado nessas canções há tanto tempo, esse álbum está demorando demais! Mas é realmente ótimo, finalmente, ouvir um monte dessas músicas e com o vocalista certo! [Risos] 

Geeks of Doom: Rob, muito obrigado. 

Rob Caggiano: Oh, muito obrigado, cara. Foi muito divertido!

Fonte: (entrevista completa em Inglês) Geeks of Doom http://geeksofdoom.com/2011/05/12/interview-anthrax-guitarist-rob-caggiano/

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Entrevista, Rob Caggiano

Atualização 2011!!!

Uou, o tempo tá passando muito rápido mesmo! Abril e nenhum post novo? Então vamos lá! Pra quem não nos acompanha pelo Twitter, o que eu sinceramente recomendo, aqui vai uma atualizada geral no Mundo Anthrax em 2011.  

Novo Álbum – Worship Music:  sai em 2011?

Depois de dispensar o novato Dan Nelson e decidir “refazer” o Worship Music com Belladonna nos vocais, a banda ainda está colocando os toques finais no que promete ser o retorno à velha forma. Em entrevista recente para o site Artist Direct, Scott Ian declarou:

“O álbum está quase pronto. Joey está cantando. Ele tem 7 ou 8 músicas prontas neste momento.  Ainda temos algumas gravações a fazer – algumas guitarras e solos. Acredito que o álbum estará finalizado e mixado antes do inverno (no Brasil) e nossa intenção é lançá-lo na primavera.”

 

   

Anthrax no Big Four e… Andreas Kisser?

Sim, além de estar novamente participando da turnê chamada “Big Four”, onde se apresenta com Slayer, Megadeth e Metallica,  pela primeira vez em sua história o Anthrax vai se subir aos palcos sem o seu membro mais antigo, o fundador e guitarrista Scott Ian. Em algumas datas  (2 a 17 de julho) Scott vai estar em casa, acompanhando a chegada ao mundo de sua primeira filha, com a sua eterna noiva, Pearl Aday (filha do Meat Loaf).

Em comunicado oficial no site da banda, Scott comenta sobre a fácil decisão de convidar o brasileiro Andreas Kisser, guitarrista do Sepultura:

“Comecei a pensar em guitarristas que eu conhecia, caras de quem eu fosse fã, caras que eu respeito, cara que batem cabeça como se o Angus Young estivesse de olho neles, caras que a quem eu escuto e que eu achasse que tinham o espírito de “o show deve continuar”.

Esta não foi uma decisão difícil pra mim, de forma alguma.

Eu perguntei ao resto da banda o que eles achavam e todos tinham a mesma opinião.

Escolhemos Andreas [Kisser, do Sepultura] porque achamos que ele pode fazer os shows melhor de que qualquer outro. Ele possui o fogo, a atitude e a mão direita esmagadora pra encarar esses shows. Eu toquei com Andreas no show de 25 Anos da Roadrunner (gravadora), toquei Sepultura e nós somos espíritos semelhantes. Nós dois tocamos cada show como se fôssemos para a cadeia no dia seguinte, como se fosse o último show de nossas vidas. Ele tem capacidade e experiência para trazer (ao Anthrax) e fazer destes shows algo especial. Mal posso esperar para ver e ouvir eu mesmo!”

 [N.Ed.: Coincidentemente eu estarei num desses shows (Sonisphere UK, em 8 de julho) e prometo trazer o máximo de informação e imagens deste evento histórico. \m/]

A notícia em destaque no site oficial do Sepultura

A notícia em destaque no site oficial do Sepultura

Veja também Andreas tocando S.O.D. com Scott Ian:  

E Scott tocando Sepultura:

Deixe um comentário

Arquivado em Anthrax, Turnê

Os números de 2010

Estatítsticas do Blog em 2010:

Healthy blog!

O Blog-Health-o-Meter™ indica: Este blog é fantástico!.

Então!

Imagem de destaque

O seu dia mais tivo do ano foi 27 de junho com 106 visitas. O artigo mais popular desse dia foi Anthrax no Sonisphere “The Big Four”: 7 vídeos profissionais disponíveis!.

De onde vieram?

Os sites que mais tráfego lhe enviaram em 2010 foram protopage.com, orkut.com.br, mikeportnoy.com, twitter.com e tmcc.iforumer.com

Alguns visitantes vieram dos motores de busca, sobretudo por scott ian, anthrax band, charlie benante, dan nelson e metallica

Atrações de 2010

Estes são os artigos e páginas mais visitados em 2010.

1

Anthrax no Sonisphere “The Big Four”: 7 vídeos profissionais disponíveis! junho, 2010

2

Scott Ian fala sobre a saída de Dan Nelson julho, 2009

3

Corey Taylor no Anthrax…NOT! agosto, 2007

4

Turnê conjunta do Metallica, Megadeth, Slayer e Anthrax? setembro, 2009

5

Estaria Joey Belladonna voltando ao Anthrax? maio, 2010
1 comentário

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Anthrax no Sonisphere “The Big Four”: 7 vídeos profissionais disponíveis!

Vídeos profissionalmentes filmados da performance do Anthrax no festival Sonisphere em Sofia, dia 22 de junho de 2010, Bulgária pode ser visto abaixo.

Segundo a Billboard.com, um DVD do concerto Sonisphere em Sofia, Bulgária – que foi transmitido via satélite em HD para cinemas e foi visto por mais de 100.000 fãs no mundo – está previsto para ser lançado ainda este ano. A VH1 e outras empresas de Tv euroipéis também estão negociando para apresentar o evento.

O setlist do show do Anthrax (os em vermelho têm vídeo logo abaixo):

01. Caught In A Mosh
02. Got the Time
03. Madhouse

04. Be All, End All
05. Antisocial
06. Indians
07. Heaven And Hell (trecho)

08. Medusa
09. Only
10. Metal Thrashing Mad
11. I Am The Law

Segundo o site Blabbermouth, Scott Ian teria dado a “deixa” de que há a possibilidade dessa junção dos 4 grandes nomes do Thrash oitentista se tornar uma turnê mundial. Depende basicamente dos empresários do Metallica. Vamos torcer para que eles lembrem que os fã brasileiros também adoram estas bandas! Sepultura abrindo?

– Paulo

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Anthrax: “Iremos fazer de tudo pra que isso funcione.”

Logo após rumores começaram a rodar a Internet, o ANTHRAX fez o anúncio oficial de que reuniu forças com Joey Belladonna, vocalista do grupo de 1984 a 1992 e que é considerado parte da “formação clássica” da banda (juntamente com os guitarristas Dan Spitz e Scott Ian, Frank Bello de baixista e o baterista Charlie Benante). Joey reuniu-se e excursionou com a banda em 2005 e 2006.

Na semana passada, BLABBERMOUTH.NET falou com o baterista Charlie Benante sobre o retorno de Belladonna, as datas européias do Sonisphere’s “Big Four” com METALLICA, MEGADETH e SLAYER e sobre futuro da banda. A sessão de perguntas e respostas segue abaixo.

Parece que o situação do cantor foi resolvida.

Charlie Benante: Sim, eu estou aliviado por tudo. Isso esteve nas minhas costas por algum tempo. Eu posso respirar um pouco mais fácil agora.

Em que dado momento o nome de Joey apareceu?

Charlie Benante: Bem, eu conversei com Joey aqui e ali, sabe o que eu quero dizer?! Basicamente, alguns de nós da banda, inclusive eu, sentimos como se estivéssemos nesta montanha-russa emocional por cerca de dois anos, quase no limbo. As pessoas dizem: “Como pode isso dar certo? Como pode isso dar errado?” Acredite, eu não posso começar a dizer quanto tempo e esforço  eu coloquei para fazer tudo funcionar. Às vezes você pode levar um cavalo à água, mas você simplesmente não pode fazê-lo beber. Essa é a verdade. As pessoas têm suas próprias maneiras de resumir tudo isso e colocar uma conotação negativa sobre ela, mas ela não é realmente uma ação negativa por parte da banda. A situação é exatamente do jeito que é. É lamentável que algo em que estávamos trabalhando não deu certo. Apenas explodiu na nossa cara, tipo “Que porra é essa?”. John (Bush, antigo vocalista) foi gentil o suficiente para entrar e fazer alguns shows com a gente, mas John não quis continuar com esta vida ou fazer música. Queríamos tanto John como Joey, para tocar e fazer isso com a gente. Joey ter aparecido resume tudo. Meu pensamento todo por trás disso é que eu não quero algo para curto prazo, eu quero algo para longo prazo. Eu quero estar nisso. Quem vai estar cantando precisa fazer isso até que nós dissermos que acabou. Nova música, para mim, é a parte mais importante sobre este assunto. Essa é a nossa prioridade número 1 porque não lançamos um álbum há anos. Acredite em mim,  tenho uma porrada de material fudido que precisa ser mostrado. Espero que este seja o primeiro passo para chegar lá.

Então é isso? Não é uma coisa temporária como a turnê de reunião?

Charlie Benante: Eu realmente tenho que esclarecer todas essas coisas sobre a reunião porque muita gente se esqueceu ou não leu as outras partes. Eu quero fazer você voltar para a idéia de apresentação desta turnê inteira. Era pra ser uma turnê especial que nós faríamos e que apresentaria ambos os vocalistas. Foi porque nós comemorávamos um aniversário. Foi uma ideia brilhante de minha parte, porque eu pensei que seria um grande presente para os fãs de ver as duas épocas do Anthrax. Essa era a idéia inicial e eu pensei que seria foda. Se o Van Halen estava fazendo isso, eu pensei comigo “Foda-se, é uma grande idéia.” Então a verdade começou a aparecer e um cara não queria fazer isso e outro cara não faria aquilo. De repente, acabou que John não queria fazê-lo e nós estávamos indo fazer uma turnê. Na verdade, não era bem isso que eu tinha em mente, mas eu resolvir seguir com isso. Eu sabia no fundo da minha mente que um dia poderíamos fazer outro disco com John, mas as coisas não funcionam desse jeito e essa é a verdade. Para mim, a turnê de reencontro foi esta: Aqui estão os cinco rapazes que trabalharam juntos até 1990, o que for. Vamos jogá-los juntos em uma sala, deixá-los conversando e agora eles estão em turnê. Nós tivemos de reparar certas relações na estrada, o que não foi justo com nenhum de nós. Nós estávamos fazendo shows bons, mas nos bastidores era difícil a comunicação. Seguimos em frente enquanto pudemos até que determinadas personalidades decidiram que não queriam mais continuar. Foi isso. Foi concluído. Scott (Ian, guitarrista), eu e Frankie (Bello, baixista) ficamos sem fazer nada. Então, passou algum tempo e eu tinha um monte de material. Scott e Frankie vieram e nós começamos a compor música como fazíamos durante a época do “Spreading The Disease”. Era apenas nós três, sem cantor, compondo canções. Era isso.

Todos os conflitos do passado que foram acontecendo durante a reunião foram esquecidos? Qual é a química global entre todos agora?

Charlie Benante: O ponto é que Joey Belladonna tem um bom coração. O cara é uma boa pessoa e queremos fazer este trabalho com ele. Nós vamos fazer tudo ao nosso alcance para fazer este trabalho e acho que vai funcionar. Enviei pro Joey algumas músicas novas e algumas letras de músicas e, apenas três dias atrás, ele me tocou algo no telefone dele cantando a canção nova e fiquei arrepiado. Foi muito foda. Me lembrou do “Spreading The Disease”. É um grande começo para algo que só pode vir a ser do caralho. Nós só queremos tocar nestes espetáculos, ser apenas uma banda de novo e ser matadores.

Haverá canções de “Worship Music” (o álbum de inéditas do ANTHRAX com Dan Nelson nos vocais) no álbum que você planeja fazer com o Joey?

Charlie Benante: Cinco canções das sessões provavelmente serão salvas e o resto provavelmente será jogado fora ou refeito. Nós amamos as cinco músicas e não queremos fazer nada para estragá-las. As outras canções eu quero re-editar e re-escrever um pouco aqui e ali. Eu gostaria que nós escrevessemos algumas músicas novas, porque sinto que depois que voltarmos da Europa todo mundo vai estar com essa energia e vamos querer fazer música.

Como Joey tem uma voz tão distintamente diferente de qualquer um com quem você tenha escrito em anos, que efeito você vê nele sobre o material novo?

Charlie Benante: É isso, cara. Eu já estou muito excitado sobre como ele soa. Como eu disse, me leva de volta para a era  “Spreading The Disease”.

Você mencionou que o Anthrax tem sido uma montanha-russa emocional no último par de anos. O futuro da banda chegou a estar em cheque?

Charlie Benante: Sim, definitivamente. Houve algumas situações em que me senti como se o chão simplesmente tivesse caído. Eu não podia acreditar nas balelas que eu estava ouvindo. Eu simplesmente não podia acreditar, cara. Um aspecto é que que se alguém lhe dá alguma coisa grande você deve apreciá-la, siga com ela e não acabe com isso, mas algumas pessoas tem que acabar com as coisas.

Então você passou a borracha por tudo isso?

Charlie Benante: Sabe o quê? Tudo acontece por uma razão. Eu estava discutindo isso com alguém há poucos dias. Você sabe como as coisas só trabalham da sua própria maneira? É como “Senhor dos Anéis”, onde eles têm que passar por todas as besteiras só para chegar àquele fim. É verdade e tem sido emocionalmente desgastante para um monte de gente. Isso poderia ser a razão pela qual algumas pessoas na banda decidiram ir para outros empreendimentos, talvez para ficar longe de tudo. Eu não sei. Talvez seja por isso que eles estão fazendo outras coisas. Eu tenho trabalhado com uma banda aqui em Chicago chamada HEAVY THE FALL, que é excelente. Eu toco bateria na gravação e também estou produzindo. Talvez eu precisasse fazer isso, porque eu precisava ficar longe de todas as porcarias do ANTHRAX por algum tempo também. Veja, no fim das contas, para mim, a música é tudo. Isso é o que eu preciso na minha vida e tem que ser positivo.

E você chegou num ponto onde o Anthrax já não era mais sobre a música.

Charlie Benante: A situação ficou feia e eu precisava ficar longe disso. Para mim, ser o membro da banda que realmente não pode ficar longe dela porque ele está fazendo isso dia após dia, foi me estressando completamente. Eu não vou mentir para você.

Agora, pelo menos, você tem essa tour do “Big Four” pra se preocupar.

Charlie Benante: Essa é a coisa que vem na minha mente esse tempo todo. Tivemos que fazer isso. Eu acho que seria justo Joey Belladonna fazer esses shows porque ele era uma parte do “Big Four”. Eu acho que ele merece isso. Acho que todos nós merecemos. Eu acho que vai ser um momento verdadeiramente especial para todos nós quando chegarmos lá em cima e tudo funcionar. É como aquele show que fizemos no ano passado, quando John veio e se juntou a nós no palco para um único show. Eu poderia ter me importado menos com o fato que havia milhares de pessoas lá nos vendo. Eu estava gostando de estar ali apenas como nós, lá em cima tocando. Às vezes você esquece isso e é sempre bom voltar e perceber o que você tem e realmente apreciá-lo. Em vez de apenas ir lá e dizer: “Ok, aqui estão os nossos 45 minutos. Terminamos”, você precisa apreciar aqueles 45 minutos.

Quais são os seus pensamentos em geral sobre essa turnê?

Charlie Benante: Cara, eu não quero dizer nada de ruim sobre o público americano, mas o público europeu, eu sei que eles vão pirar. Vai ser louco lá. Isso precisa acontecer também na América. Todas as quatro são bandas americanas e eu realmente espero que possamos fazer isso aqui porque eu não acho que o público americano nunca vai conseguir nada assim. Todos apenas estão fartos da treta que tinham de lidar entre si. Eu realmente espero que essa tour venha aqui. Isso seria ótimo.

Vocês estão planejando tocar estritamente material da era Belladonna?

Charlie Benante: Nós vamos fazer isso e vamos misturar com outras coisas também. Nós vamos tentar fazer algum material da era John (“Only” e “What Doesn’t Die”) e planejamos tocar algumas músicas novas também.

Existe alguma chance de ver Danny (Spitz, ex-guitarrista) se envolver de alguma forma?

Charlie Benante: Nós não conversamos sobre isso. Danny tem estado um pouco doente ultimamente, por isso ele precisa colocar a sua saúde em ordem. Rob (Caggiano, guitarrista] está conosco e nós estamos continuando com Rob.

Como uma banda, o ANTHRAX está se aproximando da marca de 30 anos. Quando você entrou em cena, você imaginou tudo isso?

Charlie Benante: Nunca pensei nisso.

Você pensa sobre isso agora?

Charlie Benante: [risos] Sim. Acho que me bateu um ano atrás, quando fomos para o Rock And Roll Hall of Fame ver o Metallica ser homenageado. Eu estava sentado lá e só pensava: “Uau, quanto tempo passou.” As coisas simplesmente pareciam voar. Essa turnê que está prestes a acontecer, eu realmente espero que isso aconteça em outro lugar. Isso precisa acontecer em outros lugares porque isso é enorme para o metal. Eu falei com pessoas que estão voando de todo o mundo para ver o primeiro show na Polônia. Apreciem.

Se você tivesse uma coisa a dizer para aqueles que estão lendo isso, o que seria?

Charlie Benante: Sejam gentis conosco.

Fonte: Blabbermouth

Deixe um comentário

Arquivado em Anthrax, Charlie Benante, Joey Belladonna

Joey Belladonna está de volta ao Anthrax!!

Em seu 29 anos como uma banda, o Anthrax sempre foi uma porta giratória, quando se trata de vocalista, de Neil Turbin para Joey Belladonna, que esteve mais associado com os shows, com John Bush, que teve um longo mandato de sucesso, com Dan Nelson , que gravou o álbum “Worship Music”, que foi arquivado antes do lançamento, no ano passado.

Mas a Noisecreep tem o prazer de informar que Belladonna, por muitos considerado o vocalista essencial do Anthrax, está de volta. O cantor, que foi visto com o baterista Charlie Benante e o baixista Frank Bello, em Nova York no mês passado, oficialmente voltou para os lendários thrashers. Belladonna fará sua primeira aparição ao vivo com a banda neste verão, na turnê “Big Four” com Metallica, Slayer e Megadeth. Essa turnê já estava dando formas para ser monstruosa, mas com o vocalista do Anthrax definitivo de volta, a tour aumentou dez vezes no quesito “fantástico”. Belladonna também desempenhará um alguns shows fora da tour, com a banda.

“Estou super animado com isso”, disse o guitarrista Scott Ian em um comunicado. “Joey e o restante da banda vieram me ver tocar em um clube em Nova York, e eu não via Joey há anos, desde o fim da turnê de reunião. Joey bateu no meu ombro, deu um grande abraço, e naquele instante, senti como se o tempo não tivesse passado. A dinâmica da banda é interessante – no Anthrax, (Joey e eu) passamos tantos anos de nossas vidas juntos, crescemos juntos, nos conhecemos tão bem, era como se o tempo não tivesse passado”.

Belladonna cantou para Anthrax entre 1985 a 1992 em clássicos modernos como “Spreading the Disease”, “Among the Living” e “Persistence of Time”. Ele voltou para a banda com todos os membros originais do Anthrax para a “2005-2007 Among the Living Tour”. Esta reunião é um pouco diferente, portanto, e todos estão em uma atmosfera positiva.

Belladonna disse, “Eu vinha mantendo contato com Frank e Charlie, então eu recebi um telefonema do gerente deles, que disse que toda a banda me queria de volta. Eu pensei: ‘Vocês tão falando sério? Você me querem lá em cima, na frente da banda, como era antes?’ Fiquei emocionado. Nós já começamos a reconectar com as velhas formas de ter conversas. Tudo é mais fácil de se lidar e é muito bom. ”

“Nós vamos fazer esses shows de verão e funcionar como uma banda”, disse Benante. “Ficarmos à vontade em estar uns com os outros novamente, e a energia disso poderá resultar em fazer música nova.” Em outubro, Benante afirmou que o grupo estava em discussões com Bush. Nunca é um momento maçante quando se trata de cantar para o Anthrax!

“John foi um cara muito correto sobre a situação”, disse Ian, sobre John Bush, que teve o posto de vocalista  de 92 a 2005. “Ele sabia que queríamos avançar a toda velocidade, que precisávamos de um compromisso total para o Anthrax, e ele sabia que não era o que ele queria. Certamente desejo tudo de bom pro John. Tivemos tantos grandes momentos com ele, e nós apreciamos seu comprometimento no Verão passado, quando veio cantar conosco no último minuto, e feito isso com a gente desde então. Ele sempre será parte integrante da família Anthrax”.

“Temos um luxo incomum de aprendizagem”, acrescentou Ian no comunicado. “Nós terminamos o álbum há um ano, nós vivemos com essas 12 canções desde então, e podemos olhar para trás e ver o que realmente gostamos e o que podemos fazer ainda melhor, especialmente com o Joey de volta ao rebanho.”

Diz ainda Benante: “Há cinco ou seis músicas de um ano atrás que nós não queremos mudar, nós a amamos do jeito que são, além de ter Joey fazendo os seus próprios trabalhos com a sua voz. Depois, há mais cinco ou seis que podemos querer re-trabalhar, e então há um monte de outras músicas que ainda estão nas fases iniciais, que queremos concluir.”

“A banda tem sido uma montanha-russa emocional desde o verão passado”, Benante continuou, “mas acho que tudo o que tivemos de enfrentar durante esse tempo foi sendo levado para isso, para estar de volta com Joey no Anthrax, e o calendário não poderia ser mais perfeito ou adequado. Ter Joey conosco nesses shows com o Metallica, Slayer e Megadeth é a forma como deve ser – como vocalista do Anthrax em 85 a 92, ele fez parte de “The Big Four.”

Bem-vindo de volta, Mr. Belladonna. Esta notícia acaba de fazer a nossa semana. Só uma pergunta, rapazes: Onde está o guitarrista Dan Spitz? Brincadeira, brincadeira…

Fonte: Noisecreep

1 comentário

Arquivado em Anthrax, Joey Belladonna, Tour, Turnê

Estaria Joey Belladonna voltando ao Anthrax?

O Anthrax ainda irá se pronunciar sobre os rumores de que a banda está prestes a juntar forças com o vocalista Joey Belladonna para o próximos shows na Europa com o Metallica, Megadeth e Slayer, parte da turnê do “Big Four”.

O site Blabbermouth relatou dois dias atrás que Belladonna foi visto com menbros do Anthrax, o baterista Charlie Benante e o baixista Frank Bello no concerto do  grupo Fozzy, em 28 de abril, no BB King Blues Club & Grill, em Nova York.

Eddie Trunk – co-anfitrião do programa do VH1 Classic, “That Metal Show”, que declarou várias vezes no passado que ele é um amigo pessoal do baixista Frank Bello – escreveu o seguinte em seu blog, em 4 de maio 2010:

“Toneladas de boatos sobre Joey Belladonna voltar ao Anthrax. Posso dizer que isto não está confirmado. Não estou dizendo que isso não é possível de acontecer, mas não é 100%.”

“Aqui está o que é fato: Bello, Benante e Joey estavam juntos no show do Fozzy, [o vocalista John] Bush [que tem cantado nos shows do Anthrax ao longo dos últimos nove meses] veio no meu programa de rádio dizendo que ele não está interessado em viajar muito em turnês e só vai fazer coisas com o Anthrax ou Armored Saint (sua outra banda) quando ele estiver a fim, e o Anthrax quer cair na estrada e fazer as “datas da Big Four”, que é da era Belladonna. Juntem tudo isso e pensem o que quiser.”

“Para mim, independentemente do Joey ou John, eu quero ver esses caras lançarem um álbum e chutar algumas bundas novamente. Eles fizeram coisas grandes com ambos os cantores, embora tenha admitido no rádio e na TV que Joey tem um lugar especial para mim, porque ele fez parte desse período clássico e mostrou ótimos vocais em um momento que o thrash não tinha isso.”

“Esperamos um anúncio oficial de uma forma ou de outra em breve.”

Na descrição do Anthrax como um dos performers do evento, o site da edição sueca do festival Sonisphere escreveu (em sueco): “Quem está cantando? Vamos dizer o seguinte: suas iniciais são JB e ele tem um objetivo: o mosh , para todos.”

O Anthrax estava para lançar seu novo álbum, provisoriamente intitulado “Worship Music”, em Outubro passado. No entanto, o lançamento foi adiado por tempo indeterminado após a saída do vocalista Dan Nelson, em Julho de 2009, e o retorno de John Bush, que liderou a banda entre 1992 e 2005.

Belladonna foi o vocalista do Anthrax durante 1984-1992, e foi considerada parte da formação clássica da banda (ao lado de Dan Spitz, Scott Ian, Frank Bello e Charlie Benante), e que se reuniu em turnê durante 2005 e 2006. Sua voz está presente em mais de 10 álbuns, que segundo estimativas venderam oito milhões de cópias no mundo inteiro.

Após o Anthrax,  Joey continuou a fazer música com um projeto solo chamado BELLADONNA, que lançou seu primeiro debut auto-intitulado, em meados dos anos 90. o segundo álbum, “Spells of Fear”, saiu em 1998 e foi fortemente criticado por  sua má produção e musicalidade desleixada. O terceiro álbum, ou melhor, as gravações demo para o que supostamente seria o terceiro álbum que nunca foi gravado, foi auto-lançado por Belladonna em 2003. Foi uma volta à melhores composições e musicalidade, e foi bem recebido pelos fãs.

1 comentário

Arquivado em Anthrax, Joey Belladonna, John Bush